Logo
Projeto Viver Mais
Vida é Saúde e Beleza
Os dois artigos abaixo exemplificam algumas estratégias adotadas no tratamento dos transtornos alimentares. Observem a ênfase dada na contagem calórica, gerando assim apenas uma preocupação na recuperação do peso das pacientes. Essa linha de pensamento pode ser a causa do alto índice de mortalidade das pacientes internadas, pois acreditamos que a alimentação fornecida agrava ainda mais o estado de intoxicação dessas pacientes.
 
 
 
Abaixo, um artigo sobre outra estratégia no tratamento dos transtornos alimentares. Os fármacos, produtos que estão na base da história da medicina ocidental. A indústria farmacêutica, junto com a bélica (armas), representa o principal poderio econômico, e domina com o seu Capital, espaços que apenas parecem neutros, como as pesquisas, as publicações e a mídia.
 
No próximo artigo, podemos constatar que "O tratamento da anorexia nervosa e bulimia tende a ser árduo, prolongado e de resultados duvidosos e, muitas vezes, insatisfatórios" (RIBEIRO, SANTOS E SANTOS, 1998).Como tratar algo, quando se desconhece sua origem?
 
 
De fato, com tantas possibilidades etiológicas, não há como elaborar uma estratégia de tratamento eficiente. Observamos as múltiplas possibilidades que podem originar os transtornos, segundo o artigo (que reflete o "senso comum" científico). Esse artigo afirma que  "a complexa interação de problemas emocionais e fisiológicos torna, muitas vezes, necessário um plano de tratamento que envolva uma variedade de abordagens e de especialistas". Os autores proõem que o tratamento envolva "uma equipe multidisciplinar, que inclua um clínico, um nutricionista, um psicoterapeuta individual e, se possível, um psicoterapeuta de grupo ou familiar e um psicofarmacologista, que tenha conhecimento dos medicamentos psicoativos usados no tratamento desses transtornos".No entanto, que adianta uma equipe multidisciplinar, se todos os integrantes dela desconhecem a origem do respectivo transtorno. Dessa forma, o tratamento sendo elaborado por um ou vários profissionais, permanece sendo uma estratégia que caminha no escuro, que reza para encontrar a saída.
 
 
Já que os tratamentos não são eficientes, por que então não assumir o placebo, evitando reações indesejadas características dos fármacos.
 
 
 
Os artigos a seguir mostram a gravidade do assunto, sendo observado elevada prevalência de fatores de risco para o desenvolvimento de transtornos alimentares em universitárias de uma instituição de ensino superior do Paraná, e colegiais do interior de Minas Gerais. Demonstrando uma tendência atual de aumento na incidência de anorexia e bulimia nervosas, principalmente entre adolescentes.
 
 

Os próximos artigos mostram um pouco da história de nossa alimentação, e como os laticínios foram introduzidos em nossos hábitos. Revela também a estratégia de utilizar a ciência como veículo para o aumento da venda de produtos. Interessante o período em que se afirmava que o leite materno era inferior que o leite industrializado, no período de aleitamento infantil. As alterações severas em nossa alimentação, em pouco mais de um século, não terão relação direta com os transtornos alimentares?
 
 
 
  
Os próximos artigos destacam a importância do sintoma de distorção na própia imagem como critério de diagnóstico e como elemento para o prognósticono tratamento do transtorno alimentar.